Saint Seiya! Existe vida após Hades?

A Saga de Hades

Hades
Hades

“Há Spoilers sobre a trama”

Em 2002 a “Saga de Hades” dos Cavaleiros do Zodíaco finalmente chegava as telas no formato de OVAS, inicialmente foram 13 em um capítulo intitulado Santuário, em 2005/2006 mais 12 OVAS foram lançados e finalmente em 2008 tivemos a conclusão na fase Elísios com mais 6 OVAS. A série originada do mangá nos anos noventa passou por diversos problemas até ser adaptada para as telas, mas veio como divisor de águas da franquia quase três décadas após o fim do arco Poseidon. A trama trouxe o retorno da guerra santa, batalha contra o deus dos mortos Hades que ocorre desde os tempos mitológicos. Atena e seus cavaleiros enfrentam aqui seu maior desafio, muita maturidade fora empregada nos personagens, estes muito bem resolvidos em suas atitudes e o mesmo se vale para as situações enfrentadas. O drama aqui é real e pode ser sentido em cada obstáculo imposto. Com o final em 2008, muito da trama ficou em aberto e para atrapalhar ainda mais a cronologia o filme “Prólogo do céu” fora lançado em 2004 tratando dos eventos pós Hades, antes mesmo da saga terminar.

Prólogo do Céu

Prólogo do Céu

Prólogo do Céu foi lançado em 2004 pela TOEI e teve supervisão do próprio Kurumada. O filme seria uma trilogia intitulada “Trilogia do Céu”. A trama um tanto quanto contraditória se inicia logo após a morte de Hades, Seiya após ser atingido pela espada do imperador acaba sofrendo uma maldição e se encontra totalmente paralisado em uma cadeira de rodas, sendo cuidado por Saori em uma casa de campo aparentemente remota. Lá ele recebe a visita dos cavaleiros anjos que tentam matá-lo a mando dos deuses em represália pela morte de Hades. Um tanto quanto confuso, já que o esperado da guerra santa por todos é que Hades sucumba. Atena aceita a proposta dos deuses de subir aos céus e assumir seu papel como deusa em troca da vida dos seus cavaleiros e da própria terra. Sua irmã Artemis, tida como a deusa da lua, assume o controle da terra e consequentemente do santuário. Seiya desperta e logo busca por Saori se unindo aos demais cavaleiros, esses percebem que a terra perdera a proteção de Atena. A história utiliza de alguns adventos como a aparição do real irmão da Marin, o guerreiro anjo Toma de Ícaro, mas no fim a intenção foi desviar o foco das tramas já comuns, tanto que pouca é a aparição dos demais cavaleiros do bronze. O tom de apresentação do filme é quase onírico, a trilha sonora poética e a qualidade elevada da animação fazem do longa maduro e totalmente diferente do que fora visto antes. No final temos Seiya enfrentando Apolo em uma cena quase surreal, o cavaleiro totalmente nu aparece junto de Saori, também sem roupas, pelo que parece elevam seu cosmos em tentativa de derrotar o deus. O filme termina antes do desfecho e no pós créditos temos uma cena onde Seiya veste uma armadora desconhecida e desfere um golpe contra Apolo, também sem conclusão, outra prova que o filme tentou passar um tom mais onírico, sendo aberto a diversas interpretações. Alguns anos depois descobrimos que a real intenção de Kurumada, criador da série, fora de lançar mais dois filmes, porém acabou não gostando do primeiro, decidindo então levar a continuação da saga para seu mangá “Next Dimension” cancelando totalmente o projeto animado. Com essa situação os fãs do anime acabaram um pouco desolados com tal atitude e com o destino da série clássica.

Soul of Gold

Aioros e Aioria vestindo as armaduras divinas.
Aioros e Aioria vestindo as novas armaduras divinas.

Após o arco de Hades duas séries surgiram: Ômega e The Lost Canvas, mas por não se tratarem da cronologia clássica as deixarei de lado por hora, futuramente farei o review das duas. Depois de sete anos sem uma saga envolvendo os clássicos, Soul of Gold é anunciado, tendo sua estréia em abril desse ano. A série pega carona nessa nova onda de ressuscitar algumas histórias clássicas dos animes de sucesso. A trama se passa simultaneamente com os eventos da Saga de Hades, após os cavaleiros de ouro perderem suas vidas ao quebrarem o muro das lamentações, misteriosamente são revividos nas frias terras de Asgard, que já fora palco de uma saga clássica da primeira animação. Aioria é o primeiro a receber o foco, passando a ideia de protagonista dessa nova fase. Ao despertar o cavaleiro de leão busca respostas sobre o porquê de ainda está vivo e em sua investigação encontra Lyfia, que revela uma conspiração para tomar Asgard por parte de Andreas Lise. Durante a trama os demais cavaleiros de ouro também retornam para deter Andreas, enfrentando os novos cavaleiros defensores de Argard, esses enganados pelo antagonista Lise. A fase é dividida em 13 OVAS até seu desfecho. Uma ótima oportunidade para os fãs mais tradicionais acompanharem o retorno dos elementos que consagraram a franquia, a união dos cavaleiros de ouro funciona muito bem, divididos em pares em suas representações na trama, ótimas químicas surgem das interações. Ver os guerreiros ditos mais poderosos em ação ativa é recompensador, tudo o que se espera de uma ótima saga está em Soul of Gold, mistério, ação, novas armaduras e personagens queridos fazem desse capítulo digno da série clássica e indispensável para quem procura algo após a excelente Saga de Hades, que inclusive é mencionada e está eminentemente acontecendo enquanto os doze de ouro buscam respostas em Asgard. Tanto o filme Prólogo do Céu, quanto Soul of Gold, são episódios diretamente relacionados e que ajudam a compreender um pouco mais do arco de Hades, considerados por muito o melhor. Apesar da sequência já estar bem desenvolvida no mangá, quem acompanha tão somente as animações pode buscar conteúdo adicional nesse ótimo material aqui comentado.

Pequenas amostras da minha antiga coleção de Cavaleiros do Zodíaco de minha infância

 

Renan Gonçalves

Geek assumido. Historiador, assíduo leitor, consumidor de cultura pop (o pop não poupa ninguém). Apaixonado por dinossauros e filmes desde que vi Jurassic Park no cinema! O filme que me desvirginou em 93. Fã de carteirinha de James Bond, desde que vi ele saindo com várias mulheres em todos os filmes, mas ele não me desvirginou (Eu acho). Apelido NAN ou Gaúcho, pois uso nó maragato e até de ginete algumas vezes!