O Esperado Guerra Civil E Seu Review

poltrona-guerra-civil-teaser-trailer

“Mais um Summer Movies começa e mais uma vez a MARVEL está presente, dessa vez com uma das estreias mais esperadas por todos desde Vingadores. Carregando um título de peso, Guerra Civil é o terceiro filme da franquia Capitão América e responsável por trazer o conflito interno tão consagrado nos quadrinhos.”

Capitão América 2 : Soldado Invernal exibido nos cinemas em 2014, marcou a direção dos irmãos Russo nas franquias da MARVEL. Com uma trama fortemente engajada com assuntos políticos, os diretores provaram que é possível tratar de temas ditos mais “sérios” em blockbusters de heróis. Repetindo essa fórmula, personagens como Homem de Ferro, Visão, Feiticeira Escarlate, entre outros, ganham um tom completamente novo pelas mãos dos diretores.

20151125143437_660_420

 

A trama começa com uma desastrosa operação na Nigéria, onde baixas civis acontecem por um descuido da equipe de Steve Rogers (Chris Evans), devido tais baixas os países se pronunciam negativamente quanto esse tipo de intervenção dos vingadores, levando o secretário de estado, Ross (Já conhecido de Incrível Hulk), obrigar os heróis a fazerem parte das Nações Unidas, através de um tratado de submissão. Tony Stark (Robert Downey Jr), motivado por uma consciência de culpa, por essas e demais baixas passadas, concorda com os termos e convence o resto da equipe que é o correto a ser feito. Já Steve é contra tal medida, devido suas experiências anteriores com o governo, tal contradição é o estopim inicial que ascende o conflito.  Por todo o começo do longa é possível identificar um clima de “guerra fria” entre Rogers e Stark, além dos demais personagens envolvidos que acabam tomando seus respectivos partidos, situação essa que culmina em um confronto de enormes proporções. A trama é concisa e casa perfeitamente com o universo MARVEL já apresentado. Assuntos atuais como diplomacia e poder governamental são tratados nesse mundo  de heróis, criando um ótimo paralelo entre patriotismo, heroísmo e leis. No desenrolar da história, nunca é certo onde termina um e começa o outro, um artificio utilizado para equilibrar os dois lados. Apesar do título fazer referência ao quadrinho homônimo, o filme é uma continuação direta da franquia “Capitão América”, logo os personagens envolvidos são aqueles que caminharam com o enredo, além de algumas adições, duas novas apresentações marcam o longa: Homem Aranha, aqui jovem e inexperiente, atuando como justiceiro há apenas seis meses e Pantera Negra, que busca por vingança. Ambos seguem suas origens similares aos quadrinhos e funcionam muito bem durante a película, alguns heróis já apresentados em outras franquias também estão presentes, como o Homem Formiga, entre outros. O número de personagens importantes, apesar de não ser o mesmo da HQ, é suficiente para o longa no desenrolar do conflito, cada um devidamente tratado com certa particularidade no limite do possível. O número alto de piadas e algumas forçadas, quebram um pouco da seriedade durante a cena da batalha principal, o que atrapalha um pouco o ritmo do filme. Algo que é corrigido durante o desfecho, esse já esperado, embora não constitua um clichê.

Todos esses aspectos culminam em mais uma ótima adição para a franquia “Capitão América“. Os irmãos Russo entregaram uma nova linguagem cinematográfica para os filmes de heróis, fazendo do “Soldado Invernal” um divisor de águas para MARVEL e mais uma vez essa formula é repetida com “Guerra Civil”, tornando o longa mais que obrigatório para os fãs.

 

Trailer Oficial:

Renan Gonçalves

Geek assumido. Historiador, assíduo leitor, consumidor de cultura pop (o pop não poupa ninguém). Apaixonado por dinossauros e filmes desde que vi Jurassic Park no cinema! O filme que me desvirginou em 93. Fã de carteirinha de James Bond, desde que vi ele saindo com várias mulheres em todos os filmes, mas ele não me desvirginou (Eu acho). Apelido NAN ou Gaúcho, pois uso nó maragato e até de ginete algumas vezes!