Review: Gaijin Sentai – OST

No último domingo (21/08) realizamos uma entrevista com o grupo de J-Rock nacional Gaijin Sentai, e na ocasião podemos adquirir o disco gravado pelo grupo em 2013, intitulado OST, o trabalho fora conseguido através de um edital do Governo do Estado de São Paulo; o PROAC, onde a banda apresentou seu projeto e o teve escolhido entre mais de 500 outros, possibilitando a gravação do primeiro álbum oficial. Apesar de já conhecer o disco, pouco havia escutado em prol de uma resenha séria, e hoje trago em nosso site, uma breve crítica desse trabalho que esbanja qualidade.

OST3

O time de instrumentistas é composto por Jefferson Amorim nos teclados, Alexandre no baixo, Arilson Polo na guitarra e na época, ainda pelo baterista Kleber Amorim, que já não integra a composição oficial do grupo. E nos vocais temos Nordan e Dani. A banda natural de Caraguatatuba já trilha o difícil mercado musical do país há um tempo, em seu início trazendo covers das canções de animes e tokusatsus famosos. O interesse pela cultura oriental permitiu que o grupo crescesse dentro do estilo, adentrando o gênero do J-Rock, munidos de originalidade e usando de misturas musicais, garantiram um primeiro trabalho de peso. Essa fórmula já permitiu a realização de cinco turnês pela Europa, e no mês de outubro, viajarão novamente para divulgar seu trabalho em novos países.

Ao pegar o disco físico em mãos, já nos salta aos olhos o capricho com a arte nas ilustrações de Vinicius Prado, com personagens inspirados nos seriados/tokusatsus e filmes clássicos do Japão, que muito circularam na década de 80 e início dos 90, arte que predomina em todo o encarte pensado para o mercado internacional e trazendo seu conteúdo informativo em inglês e as letras em japonês, idioma escolhido pela banda para firmar seu estilo dentro do J-Rock nas 12 faixas contidas no trabalho. Antes de começarmos destrinchar o disco, é importante ressaltar que o álbum teve sua mixagem responsável pela Norcal Studio, que empregou grande qualidade técnica em todo o trabalho, e a produção ficou à cargo de Julio Cesar Porto Messias.

OST1

“First” é a primeira faixa do disco, com guitarras remetendo ao território progressivo em seus riffs e um potente vocal empregado exclusivamente por Nordan; a canção evoca a nostalgia das antigas aberturas japonesas dos seriados populares, embora o metal se sobressaia, o uso de sintetizadores proporciona tal recordação em nossa memória e o grito de “Transform” amplia o nostálgico da breve canção. Logo caímos na introdução pesada de Okami No Youni”, e mais uma vez temos os sintetizadores acentuados, porém a sensação é de uma pegada mais pesada e melódica; onde temos um vocal unido no cativante refrão “Susume Carry On.” Nordan também deixa sobressair mais o melódico em sua voz, no executar da canção. Hachi No Densetsu” apesar de sua introdução, também nostálgica e marcada por teclados e sintetização, cai nas guitarras presentes no Hard Rock, guitarras essas que sempre recuam quando a voz doce e aflorada de Dani se faz presente, ao tempo que retornam com força e acentuamento no refrão, uma canção delicada em totalidade e que muito remete aos animes que são uma das influências claras da banda. “K” retoma a potência das duas primeiras faixas, ao tempo que emprega destaque maior para guitarra, extremamente presente e trazendo riffs pautados no metal clássico. Partimos para canção mais ousada do disco “Jaguatimen vs Sunrider”, que além de misturar estilos tradicionais brasileiros e japoneses , como o maracatu e shamizen, traz o poderoso dueto entre Eizo Sakamoto (Animetal) e Nordan, a faixa se consagra como uma das melhores do disco, sua execução complexa remete à toda qualidade empregada na mixagem do álbum. “Mega” retoma a nostalgia dos tokusatsus em sua levada, funcionando como faixa intermediária, é um complemento do excelente trabalho já empregado nas outras tracks. “Horses And Gears” traz novamente Dani, que conduz com graça e harmonia a canção que remete ao folk bardo, uma plena fusão entre voz e melodia, garantem uma das canções mais “suaves” do disco, um ótimo refrão acentua o bardo da toada, que se mistura ao estilo tradicional japonês, criando algo original e agradável de ser escutado. “Metaru Hirô” traz uma faixa acelerada e com progressão acentuada, mais uma vez retomando o dueto entre Eizo e Nordan. “Rider” poderia ser muito bem uma das aberturas de Kamen Rider, as homenagens ao tokusatsu ficam evidentes nas palavras “Henshin” e “Wake Up” cantadas por Nordan em tom de nostalgia e alusão. A pegada acelerada também se faz presente aqui. “Defender” não nos deixemos enganar pela abertura suave da canção, que emprega um riff marcante e um vocal suave, mas que progressivamente ganha potência remetendo ao J-Rock tradicional praticado no Japão. “Tengu” traz uma pegada ancestral japonesa, dentro do estilo conhecido como enka; empregando inclusive, instrumentos orientais tradicionais, é uma canção calma de piano acentuado, onde Dani e Nordan dividem o vocal. Uma típica canção oriental que respeita os moldes antigos, despertando uma sensação de leveza e calma para quem a escuta. E no encerrar, Heiwa No Kyojin” elucida a temática principal predominante no álbum, sua referência aos clássicos orientais, presentes nos efeitos sonoros no início e na melodia que novamente ganha potência, remetendo às faixas iniciais.

Em nossa conclusão, recomendamos o excelente trabalho, que dentro do universo japonês, consegue ser original em sua execução, trazendo elementos dos mais variados dentro do Metal e inserindo algo de nossa tradição musical, e o faz ao tempo que é nostálgico quanto os clássicos japoneses que tanto estiveram presentes em nossa infância.

DSC02658

 

 

 

 

 

Renan Gonçalves

Geek assumido. Historiador, assíduo leitor, consumidor de cultura pop (o pop não poupa ninguém). Apaixonado por dinossauros e filmes desde que vi Jurassic Park no cinema! O filme que me desvirginou em 93. Fã de carteirinha de James Bond, desde que vi ele saindo com várias mulheres em todos os filmes, mas ele não me desvirginou (Eu acho). Apelido NAN ou Gaúcho, pois uso nó maragato e até de ginete algumas vezes!