NARCOS: Erros apontados pelo Filho do Patrón

narcos-810x810Narcos estreiou ano passado e foi um tremendo sucesso. Com Wagner Moura no papel do rei da Cocaína, a Netflix trouxe o que alguns já haviam esquecido e que outros não conheceram: o terror do Império da Cocaína na Colômbia.

A história real começou em meados dos anos 70,  quando o ambicioso Pablo Emilio Escobar Gaviria, que já havia sido ladrão, guarda-costas e atuava como contrabandista, voltou-se para o nicho criminoso da época: exportação de drogas para os EUA.

Basicamente, este é o começo da história do criminoso, tema de vários filmes, séries, livros e matérias. Porém, sua história é tão grande e com tantas possibilidades que muito do que é contado nas mídias, ainda sofre de contestações.

Desta vez, a contestação vem de uma fonte muito confiável: Juan Sebastian Marroquin, que antes era conhecido por Juan Pablo Escobar.

O primogênito diz não recomendar a segunda temporada da série exclusiva da Netflix, pois afirma que muitos dos fatos não passam nem perto de como realmente foi.

Apesar da crítica feita pelo filho de Escobar, devemos levar em consideração que a série deixa claro, até mesmo no início de cada capítulo que é inspirada nos acontecimentos daquela época.

Em seu perfil no Facebook (aqui), Juan listou algumas das inverdades da segunda temporada. Confira (pode conter spoilers):

1 – Carlos Henao era o tio materno de Sebastián. Não era um traficante de drogas e nunca foi condenado na Colômbia ou em qualquer país.

2 – Escobar não era torcedor do Atlético Nacional, mas do Independiente Medellín.

3 – La Quica foi preso em Nova York no dia 24 de Setembro de 1991, a tempo de escapar de Escobar da Catedral (Julho de 1992).

4 – O confronto na fuga da Catedral não foi tão grande. Apenas um guarda da prisão morreu. Não houve conflito e Escobar não teve a ajuda da justiça para escapar.

5 – Limón era um trabalhador de Roberto Osito’, irmão mais velho de Escobar, e trabalhou para ele como motorista por 20 anos. Não apareceu nem foi recrutado no final da história da família, mas há muitos anos.

6 – Não é verdade que Medellín e Cali negociaram para ficar em Miami e Nova York, respectivamente. A verdade é que até hoje o mercado de drogas continua grande e sempre haverá um déficit de traficantes de drogas. Os consumidores são milhões e estão dispostos a pagar o que for preciso para estarem satisfeitos.

7 – A CIA não alertou os irmãos Castaños sobre Los Pepes. Foi Fidel Castaño quem decidiu, com a cumplicidade do cartel de Cali, autoridades locais e estrangeiros que fingiam não ver os milhares de crimes.

8 – A esposa de Escobar nunca comprou ou usou uma arma, e nunca chegou a atirar.

9 – Escobar não matou pessoalmente o Coronel Carillo, como mostra a série.

10 – Escobar decidiu perdoar a vida de Moncada no último minuto, mas quando a ordem para impedir o assassinato chegou, a morte já tinha encontrado ele.

11 – No final de seus dias, Escobar estava sozinho e não rodeado por seu grupo, como foi mostrado. Quase todos, com exceção de Angelito e Chopo, se renderam ou foram mortos.

12 – Não houve tal conforto nos dias após a fuga da Catedral. A família de Escobar viveu em favelas, não em mansões.

13 – “Leon” não viveu nos Estados Unidos e era um homem absolutamente fiel e corajoso a serviço de Escobar. Ele morreu depois de ser sequestrado e torturado pelos Castaños em Medellín.

14 – Escobar nunca ameaçou o povo de Cali. Ele divulgou um comunicado dizendo que sua esposa e parte de sua família também eram originalmente da área, e disse que não tinha nada contra os cidadãos.

15 – Ricardo Prisco já estava morto no momento em que é retratado. Ele tinha um irmão que era médico e um bom homem, mas estigmatizado pelas ações do irmão, porém, nunca fez parte do bando de Pablo.

16 – Escobar nunca atacou a filha de Gilberto Rodriguez em seu casamento ou qualquer membro de sua família.

17 – Escobar nunca obrigou a família a ficar com ele no subterrâneo.

18 – A família acompanhou Escobar em um único fuzilamento, mas não semelhante ao mostrado na série.

19 – O programa colocou que ataques com bombas ocorreram no ano de 1993, quando, de fato, aconteceu entre 1988 e 1989.

20 – A avó paterna de Sebastián traiu Escobar e aliou-se com seu filho mais velho, Roberto.

21 – A avó paterna de Sebastián também não viajou com a família para a Alemanha.

22 – Os procuradores colombianos não queriam ajudar tanto quanto mostra a série. O escritório estava completamente infiltrado pelo cartel de Cali.

23 – A esposa de Escobar nunca falou com Virginia Vallejo depois de terem escapado da Catedral. Fazia quase uma década que Escobar não tinha contato com Virginia, que era uma amante, ao mesmo tempo, dos chefes do cartel de Cali.

24 – No Hotel Tequendama, Escobar não enviou telefones à família, que usava o do local. Sebastian desligava cada vez que o pai ligava para protegê-lo, sabendo que poderia ser rastreado.

25 – Nenhum jornalista foi assassinado em frente ao Hotel Tequendama.

26 – Escobar nunca maltratou seus pais. Nunca existiu uma conversa nesse tom ou sentido.

27 – Depois que Escobar morreu, a mãe de Sebastián foi convocada para uma reunião com o cartel de Cali. Na cidade, havia mais de 40 grandes chefes da máfia da Colômbia do momento. A pessoa que a salvou foi Miguel Rodriguez, não Gilberto.

28 – Na série, a avó de Sebastián diz que a mãe dele é quem traiu o pai, quando na vida real foi a veterana e seus filhos que contataram o cartel de Cali

Estas são as diferenças apontadas pelo filho de Escobar. Podemos incluir também, o fato de que apesar que muitas notícias vinculadas a morte de Don Pablo darem o mérito para a polícia que o caçava, sua família e todas as pessoas próximas a ele acreditam que não foi morto e sim, cometeu suicídio. Isto porque sempre foi dito por ele mesmo que, caso estivesse em vias de ser pego, se mataria com um tiro alguns centímetros acima da orelha, ferimento este que foi encontrado em seu corpo.

Apesar da morte de Escobar na segunda temporada, foi confirmado que teremos uma terceira. Para onde será que a série nos levará? Nos resta aguardar pelo retorno que tem previsão para 2017.

Guilherme G. Miguel

“Nerd, Gamer, sagitariano chato” pelas palavras da namorada. Não tão nerd quanto os Robots e nem tão Gamer. Ama uma boa história, principalmente se vier acompanhada de um Joystick. Um Sonho: vestir o uniforme Cinematográfico do Homem-Aranha.