O Exorcista: A Série – Primeiras Impressões

“É certo que algumas produções voltadas ao gênero terror são capazes de marcar uma época, e muitas vezes o fazem por trazerem polêmicas densas em sua temática. Caso esse de O Exorcista, concebido na conservadora década de 70, o longa foi capaz de causar uma enorme comoção na sociedade americana. Desmaios e pessoas desconcertadas marcaram a estreia do longa que tirou o sono de muita gente, se configurando em uma das fitas mais assustadoras de todos os tempos. Logo, muitos fãs do gênero e da franquia se animaram durante o anúncio da série baseada na obra, mas será que o título é promissor? Confira em nossas primeiras impressões.”

O Exorcista, longa de 1973, foi diretamente baseado no livro homônimo do autor William Peter Blatty, que também assina o roteiro da fita. O sucesso da produção rendeu duas estatuetas do Oscar e o Globo de Ouro por melhor filme, além de diversas indicações. Outras quatro continuações foram realizadas, porém nenhum tão expressiva quanto o primeiro, uma obra que facilmente compõe qualquer lista de “longas mais assustadores de todos os tempos.” Não bastasse o tema polêmico, que envolve o próprio diabo e demônios da cânone cristã, a produção esteve envolvida em diversas polêmicas, como estranhos incidentes inexplicáveis que marcaram as gravações e o próprio diretor William Friedkin, que levou os atores à exaustão física e mental por extrema cobrança nas atuações. Partindo desse acerto a FOX anunciou, durante a San Diego Comic-Con, uma série baseada diretamente no longa original; série essa que estreou na última Sexta-Feira (23/09).

Logo na primeira sequência do episódio que foi ao ar, podemos perceber a referência clara ao longa de 73, antes mesmo de sermos apresentados à trama, o que sugere respeito pela cânone original. A história traz o Padre Tomás Ortega (Alfonso Herrera), que está à frente de uma pequena paróquia em Chicago, e em outra vertente, o Padre Marcus Keane (Ben Daniels) já atua como exorcista em uma pequena comunidade pobre do México. Através de místicos e misteriosos sonhos, onde Tomás assiste Marcus em um exorcismo que não acabou bem, ele resolve procurá-lo em prol de uma família que frequenta sua paróquia, onde uma das filhas parece estar passando por um caso de possessão demoníaca. Essa é a trama inicial da qual somos apresentados, é cedo ainda para dizer se haverá uma relação entre-tramas no que diz respeito ao primeiro filme. Embora tudo indique que o longa original só estará presente em pequenas referências. A fórmula do clássico, em essência, se confira a mesma: Uma garota atormentada, dois padres; sendo um deles mais experiente, enquanto o outro, novato e cético. Não é para menos que Alfonso Herrera tenha sua carreira em ascensão dentro do mercado das séries americanas, o ator entrega um personagem sólido para o jovem padre, sua química com Ben Daniels também se demonstrou eficiente a princípio. Sendo Daniels encarregado de um personagem mais dramático e intenso. O elenco de apoio também cumpre bem seu papel, com destaque para Geena Davis no papel de Angela, mãe da garota possuída.

A qualidade técnica faz jus ao universo denso que é a proposta principal da série. A fotografia é soturna e sempre marcada por tons frios; mesmo nos momentos mais ensolarados não vemos cores gritantes que poderiam destoar com tal proposta e o mesmo é expressado pela trilha sonora, um tanto quanto contida no início, mas que trouxe o tema clássico (Tubular Bells) ao final do episódio, como clara forma de homenagem. Tantos elementos entregam um bom produto, que sim, pode-se demonstrar promissor. Claro, é impossível comparações com o filme original, afinal estamos falando de formatos diferentes. Mas O Exorcista pode se configurar como uma ótima proposta dentro das séries de terror, além de ser mais um prato dentro do excelente cardápio da FOX que já conta com American Horror Story e o recente Outcast.

Confira o Trailer

 

 

Renan Gonçalves

Geek assumido. Historiador, assíduo leitor, consumidor de cultura pop (o pop não poupa ninguém). Apaixonado por dinossauros e filmes desde que vi Jurassic Park no cinema! O filme que me desvirginou em 93. Fã de carteirinha de James Bond, desde que vi ele saindo com várias mulheres em todos os filmes, mas ele não me desvirginou (Eu acho). Apelido NAN ou Gaúcho, pois uso nó maragato e até de ginete algumas vezes!