Chance: Crítica da nova série de Hugh Laurie

“Algumas tramas parecem nutrir um tom pesado desde o seu nascimento, onde o espectador é imerso em um mundo do qual não está habituado ou tampouco costuma pensar a  respeito, e essa reflexão soturna do qual somos levados a tratar, é uma porta que concebe acesso a nossa própria subjetividade, impelidos à reflexão, é até possível que passemos a enxergar o mundo de outra maneira.”

chance2

Chance, nova série produzida pelo serviço de Streaming Hulu, traz como protagonista Hugh Laurie, eternizado por seu papel de Dr. House. Na trama, Laurie entra na pele do neuropsiquiatra forense Eldon Chance, do qual os pacientes passam por uma espécie de pré-consulta, antes de serem encaminhados para um tratamento específico ou então liberados; passando por um divórcio complicado e também tendo problemas financeiros, o protagonista segue por sua dura rotina, onde ainda está constantemente em contato com todas as mazelas que acometem a psiquê humana. Ao tentar ajudar uma de suas pacientes, que sofre maus tratos por parte de seu abusivo marido, Chance acaba dando um passo ainda maior dentro de um sombrio universo marcado por violência e pelo degringolar das estruturas mentais mais básicas.

Partindo da soturna premissa, a série nos convida a ingressar, junto com o protagonista, ao mundo em questão. Temos uma experiência sólida e sombria, marcada ainda pela violência visual e por uma fotografia fria e cru, e que não faz da série um produto para qualquer um. Tamanha soturnidade empregada imprime um clima atípico, que nos leva à reflexão sobre toda temática pesada tratada pela produção, da qual o indicado ao Oscar Lenny Abrahamson, de “O Quarto de Jack, assina e já sabemos da intensidade da qual o diretor trata suas obras. O seriado vai estar disposto em 2 temporadas, totalizando 20 episódios. Como esperado, a qualidade técnica é excelente, o serviço de Streaming já demonstra o sucesso e qualidade de suas produções desde a ótima série 11.22.63, do qual já tratamos aqui. Hugh Laurie entrega um protagonista forte, como de praxe é brilhante em sua atuação; o elenco de apoio, apesar da não popularidade dos atores, funciona muito bem e nada deixa a desejar.

chance3

Por fim, Chance, mais que uma série, é um compêndio sobre a decadência humana; seja essa social ou mental, e que deve proporcionar reflexões profundas ao espectador quando esse procurar por tramas complexas e que podem ser mais densas do que qualquer produção de terror atual. Não recomendável para todos, é importante dizer ainda que o seriado foi inspirado por uma obra literária do autor Kem Nunn, que apesar de ser um Best Seller, infelizmente não está disponível no Brasil.

Confira o Trailer

 

 

Renan Gonçalves

Geek assumido. Historiador, assíduo leitor, consumidor de cultura pop (o pop não poupa ninguém). Apaixonado por dinossauros e filmes desde que vi Jurassic Park no cinema! O filme que me desvirginou em 93. Fã de carteirinha de James Bond, desde que vi ele saindo com várias mulheres em todos os filmes, mas ele não me desvirginou (Eu acho). Apelido NAN ou Gaúcho, pois uso nó maragato e até de ginete algumas vezes!