O contador: Crítica do novo longa de ação estrelado por Ben Affleck

“Quem pensava que esse ano não seria produtivo para o cinema de ação, teve uma ótima surpresa com a última estreia de Ben Affleck nos cinemas. Trazendo uma trama com bons personagens e sequências pontuais típicas do gênero, o título já tem se consagrado como um dos melhores do ano dentro de sua proposta. Mas será que realmente tem fôlego para brigar com nomes como Bourne? Confira em nossa crítica!”

o-contador-ben-affleck

Gavun O’Connor, diretor de longas como Guerreiro e Força Policial, concebe mais um dos seus títulos dentro do gênero ação, dessa vez com Ben Affleck protagonizando uma trama simples, onde um contador, que se auto-denomina Christian Wolff (Aflleck), trabalha para diversos cartéis internacionais coordenando um esquema de lavagem de dinheiro. Chris é autista e sofre desde cedo por sua condição, principalmente pelas mãos de seu pai, um militar que o treinou em diversas artes marciais ao redor do mundo para que o garoto pudesse se defender, porém essa mesma condição lhe concebe grande habilidade com números, quebra-cabeças, além de outras, que facilitam seu perigoso trabalho.

O primeiro ponto que devo destacar é a dinâmica introdutória que a fita apresenta, nuances da vida do protagonista, tal qual seu método são expostos para que assimilemos ao tempo que desenvolvemos empatia pela história do personagem. Chistian é munido de uma ótima roupagem narrativa, sua construção tratada desde a infância é um artificio que contribui na criação do carisma, mesmo o personagem sendo um criminoso. Essa premissa da vida dupla também aparece para nós como algo não resolvido dentro da trama, afinal nunca temos certeza de qual lado o protagonista está, apesar de conhecermos seu caráter, algo que funciona como um Robin Hood moderno. O tom introdutório mencionado dita o ritmo mais devagar e contemplativo no início da fita, nada maçante, o oposto ocorre aqui, temos nossa atenção fisgada para a infância difícil do personagem, onde junto com seu irmão (Jon Bernthal), tem que lidar com o autismo e ainda com o autoritarismo de seu pai, futuramente conhecemos mais da história através de flashbacks que surgem no decorrer do longa. A ação é dosada gradativamente, de modo a equilibrar toda profundida que a história busca alcançar, suas sequências pontuais trazem tomadas rápidas e certeiras, algo similar ao que ocorre em John Wick, embora O Contador traga uma história mais desenvolvida, que muito remete à franquias como Bourne. O conjunto acertado conta ainda com uma produção de peso acerca da qualidade técnica do material, excelentes efeitos especiais e uma fotografia limpa consagram o conteúdo que pode muito bem se beneficiar de sequências futuras. Acima de tudo, percebemos o cuidado literal com qual Christian Wolff foi construído, um personagem que pode muito bem compor a cânone de nomes fortes dentro do gênero, nomes esses que estão em falta atualmente. O elenco de apoio ainda traz Anna Kendrick, J.K. Simmons, Cynthia Addai-Robinson e Jon Bernthal, todos bem explorados nessa introdução, em prol da presença dos mesmos em possíveis continuações. Affleck é pontual em sua atuação, entregando um protagonista crível e com muito potencial.

ocontador

O Contador é uma ótima estreia de ação, que não apenas compreende o fim, mas o ano todo pela devida escassez de boas estreias dentro do gênero. O título veio com o claro intuito de criar uma franquia e o faz com competência a princípio. Sua narrativa e personagens bens construídos podem conceber o fôlego necessário para que a fita esteja situada no mesmo patamar de outras que já fazem sucesso, como o caso de Bourne.

Confira o Trailer

 

 

 

 

Renan Gonçalves

Geek assumido. Historiador, assíduo leitor, consumidor de cultura pop (o pop não poupa ninguém). Apaixonado por dinossauros e filmes desde que vi Jurassic Park no cinema! O filme que me desvirginou em 93. Fã de carteirinha de James Bond, desde que vi ele saindo com várias mulheres em todos os filmes, mas ele não me desvirginou (Eu acho). Apelido NAN ou Gaúcho, pois uso nó maragato e até de ginete algumas vezes!