[RobotTips] SpellBinders

Eu ia falar do Clash Royale, mas esse teve até propaganda na TV, vocês já devem conhecer, por isso, vou falar do SpellBinders, que é igual mas é diferente. É igual porque você tem uma coleção de criaturas e feitiços, e aleatoriamente aparecem alguns para você invocar e mandar pra cima da base do adversário e é diferente porque se chama SpellBinders.

Mentira, o ritmo do jogo muda bastante por causa de várias diferenças:

  • São 3 trilhas para você escolher por onde suas criaturas vão seguir;
  • Existem duas maneiras de derrubar a base do inimigo: uma criatura pode chegar até o final da trilha ou o canhão que fica no meio da trilha pode ser dominado por alguns segundos para atirar.

Bom… são só essas diferenças… Mas eu garanto que é sentido como um jogo completamente diferente.

Saca só o gameplay, vai falar que de cara você já perceberia que é a mesma estrutura do Clash Royale?

 

Até agora, o jogo conta com 5 divindades para você escolher, e cada uma tem apenas um poder especial e duas criaturas diferentes dos outros personagens, de resto, você não precisa esquentar a cabeça que são as mesmas criaturas e magias sempre.

E tem um detalhe que o trailer do jogo entrega, olha só:

 

Se você pegar muita raiva de um adversário, você pode roubar e jogar poderes apelões na mesa fora da ordem e independente de mana. Como você pode fazer isso? Pagando!

Você pode comprar uns poderes especiais para deixar guardado. Se você pegar raiva de algum adversário, ou então, se não quiser quebrar sua sequência de vitórias (ganha mais estrelinhas para o campeonato semanal), você apela com seu poder especial. O adversário também pode fazer isso? Pode. Mas pode ser que ele não perceba que você roubou, e acha que não é caso de gastar poder para vencer.

 

Mas o jogo, como sempre no RobotTips, é de graça. É só clicar aqui e instalar no seu celular, tablet ou forno micro-ondas.

 

Roj Ventura

Roj Ventura foi, em 2001, responsável pelo experimento social “Predacolândia”, realizado em um tanque de 500 litros com diversos animais de água doce. O projeto era pay-per-view, mas a revolta de vários grupos ecológicos levou ao encerramento do experimento em 2004, com a liberação dos animais sobreviventes no Clube de Campo de Catanduva (que foi interditato no mesmo ano, sem divulgação da causa, pelo Departamento Estadual de Zoonoses). Por motivos federais, Roj Ventura mudou-se para o exterior (provavelmente algum país da América Latina) e aguarda a finalização das investigações da “Operação Tucumã” para poder voltar ao país.