Asghar Farhadi anuncia sua ausência do Oscar 2017 e condena decisão de Donald Trump

O diretor iraniano Asghar Farhadi divulgou publicamente que não comparecerá à cerimônia do Oscar 2017 mesmo se receber uma abertura especial ao veto tomado pelo governo de Donald Trump na última sexta-feira, que impede a entrada de iranianos e estrangeiros de outros sete países de origem islâmica. Em entrevista ao New York Times, o cineasta, que concorre ao prêmio de Melhor Filme Estrangeiro por O Apartamento, afirmou que pretendia ir ao evento, mas que sente que sua presença será através de decisões que “não são aceitáveis“.

Escrevo aqui minha condenação das condições injustas impostas a alguns de meus compatriotas e cidadãos de outros seis países que tentam entrar legalmente nos Estados Unidos da América e espero que a situação atual não aumente a divisão e separação entre as nações“, disse Farhadi.

Enquanto isso, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, responsável pela premiação, lançou um comunicado no último sábado a respeito da situação do cineasta e sua entrada nos Estados Unidos.

A Academia celebra as conquistas na arte da realização de filmes, que busca transcender fronteiras e alcançar audiências ao redor do mundo, independente de nacionalidade, etnia ou diferenças religiosas. Como apoiadores de cineastas e defensores dos direitos humanos de todos, recebemos com bastante preocupação a notícia de que Asghar Farhadi, o diretor do ganhador do Oscar com um filme iraniano, e o elenco e produção de seu indicado O Apartamento, poderiam ser barrados de entrar nos Estados Unidos por motivos religiosos ou de nacionalidade“.

A decisão de Donald Trump tem provocado diversas reações negativas por parte de artistas de Hollywood.

Pedro Ornellas Ribeiro

Apenas um cara comum que é considerado estranho por ter lido 3 edições dos Dicionários dos Cineastas e se lembrar do ano de lançamento, nomes e obras de diversos diretores quando era menor. (Ok, isso é um pouco estranho mesmo) Publicitário, mas que sempre quis trabalhar com cinema. Acredita que as pessoas não são ruins, elas só estão perdidas. Talvez por isso ainda acredite em super heróis. Acredita que o mundo não é binário. Por isso, gosta tanto da DC quanto da Marvel, assim como Star Wars e Star Trek. Ama cinema blockbuster, mas não abre mão de poder assistir um filme alternativo sempre que puder. Não gosta de café. Futebol, política e religião se discutem sim, mas sempre numa boa. Ah, filme favorito? Tubarão (1975), do Spielberg.