[Robotflix] Um Cadáver Para Sobreviver

Entre os últimos lançamentos que chegaram aos cinemas nos últimos anos, temos visto que Hollywood tem se pautado pelas diversas adaptações, sequências, remakes, reboots ou até mesmos os chamados “rebooquels” para agradar ao grande público. Afinal, o cinema, ainda que em nossos corações de cinéfilos seja uma arte, também é um negócio, com investidores e CEO’s de todas as maneiras buscando alcançar um novo sucesso e emplacar sua própria franquia milionária.

Contudo, as produções originais ou independentes sempre nos reservamos ótimas surpresas para sairmos um pouco desse saturado universo blockbuster. E, sem dúvida alguma, Um Cadáver Para Sobreviver é um desses casos especiais, com um potencial enorme de se tornar um filmes mais influentes dos últimos 10 anos e que você pode conferir no Netflix nesse domingo de preguiça do Robotflix!

 

Lançado em 2016 para concorrer ao Sundance Film FestivalUm Cadáver Para Sobreviver (Swiss Army Man) se trata de uma comédia dramática comandada pelos diretores Daniel Scheinert e Daniel Kwan (ou Daniels, de acordo com sua preferência) e estrelada por Paul Dano (Pequena Miss Sunshine, 12 Anos de Escravidão) e Daniel Radcliffe (o intérprete de Harry Potter). O longa aborda a história de Hank (Dano), um homem perdido em uma ilha deserta beirando ao suicídio que encontra um cadáver chamado Manny (Radcliffe) à beira-mar. Mas Manny ainda está vivo e consegue realizar coisas inacreditáveis com seu corpo, como servir como uma metralhadora com sua boca, por exemplo. Juntos, ambos partem em uma jornada de volta para a civilização que também os proporcionarão diversos momentos de autoconhecimento sobre a vida.

O tom construído para Um Cadáver Para Sobreviver se baseia fortemente em seu surrealismo, dadas as capacidades que Manny possui ao longo do filme para garantir a sobrevivência de Hank. A temática é delicada, pois pode gerar um certo afastamento por parte do público que não se acostumou com esse tipo de abordagem narrativa. Contudo, a escolha de adequar uma situação dramática com a de Hank em um ambiente sem regras se tornou um dos maiores acertos do longa. A relação entre Hank e Manny se desenvolve de maneira interessante e gradual, oferecendo reflexões ao espectador à cada nova pergunta sobre a vida. As soluções visuais pensadas pelos diretores Scheinert e Kwan garantem que estamos diante de um universo fantástico dentro de um universo realista, além de duas interpretações magistrais de sua dupla de protagonistas.

Ao revelar qual era sua verdadeira intenção, Um Cadáver Para Sobreviver se trata de uma das obras mais originais lançadas nos últimos 10 anos e que merece ser conferida por um público maior. Aproveite seu final de semana e curta nossas dicas de tesouros escondidos pelo Netflix! Até a próxima!

Pedro Ornellas Ribeiro

Apenas um cara comum que é considerado estranho por ter lido 3 edições dos Dicionários dos Cineastas e se lembrar do ano de lançamento, nomes e obras de diversos diretores quando era menor. (Ok, isso é um pouco estranho mesmo) Publicitário, mas que sempre quis trabalhar com cinema. Acredita que as pessoas não são ruins, elas só estão perdidas. Talvez por isso ainda acredite em super heróis. Acredita que o mundo não é binário. Por isso, gosta tanto da DC quanto da Marvel, assim como Star Wars e Star Trek. Ama cinema blockbuster, mas não abre mão de poder assistir um filme alternativo sempre que puder. Não gosta de café. Futebol, política e religião se discutem sim, mas sempre numa boa. Ah, filme favorito? Tubarão (1975), do Spielberg.