[Robotflix] Extermínio

Historicamente, o horror sempre se manteve como um dos gêneros que mais trouxeram soluções criativas e imaginativas ao cinema. Obras como Vampiros de Almas, O Iluminado, A Hora do Pesadelo e O Exorcista trouxeram contribuições valiosas, que se estenderam à diversos outros campos da sétima arte e possibilitaram que novos cineastas pudessem também surgir, tomados pelas inspirações de seus precursores. Entretanto, o gênero começou a demonstrar um certo cansaço durante as décadas de 1990 e 2000, onde suas fórmulas se mostravam repetitivas e cada vez mais previsíveis, ainda que tenha contado com bons exemplos, como A Bruxa de Blair (1999) e O Chamado (2005).

Em 2002, o diretor Danny Boyle, conhecido por seu trabalho em Trainspotting, e o roteirista Alex Garland seriam responsáveis por trazer um dos filmes de terror independentes mais importantes dos últimos 15 anos, que teve papel fundamental na retomada do gênero, especialmente no subgênero de zumbis: Extermínio (28 Days Later). Essa é a nossa dica de hoje da Netflix para você aproveitar seu domingo com o Robotflix!

 

Extermínio retrata a história de Jim (Cillian Murphy), um jovem que acorda em um hospital após um coma durante um surto viral que transformou a maioria dos habitantes da Grã-Bretanha em zumbis raivosos. Ao encontrar outros sobreviventes, Jim precisa aprender a como sobreviver em um país devastado pelo vírus e que conta com pessoas ainda mais perigosas do que os infectados. A forma como Boyle e Garland escolhem para nos introduzir ao sentimento de abandono do universo de Extermínio é uma das características mais memoráveis do longa. Jim, ao sair do hospital, se depara com uma Londres completamente vazia, filmada em filtros cinzentos e praticamente sem nenhuma trilha sonora. Um take que contou com uma sorte inacreditável, dado que foi gravado em Londres nas primeiras horas da manhã e não havia ninguém pelas ruas no momento, um feito raro para uma cidade tão grande.

Esse “secura” na qual Extermínio nos introduz também ajuda a estabelecer a visão realista dos zumbis pensada por Boyle e Garland. Eles não seriam nada mais do que apenas pessoas infectadas com um vírus da raiva potencializado ao extremo, que matam por um impulso feroz e não por um desejo de carne humana, como nos acostumamos a ver pela visão mais romantizada do monstro. Ao centrar seus monstros e personagens em um senso de realidade inédito para o subgênero, Extermínio nos presenteia com uma experiência de horror extremamente real e dotada de humanidade, sem deixar de lado um terceiro ato que eleva o gore que sempre acompanhou as produções do gênero ao extremo.

Graças ao sucesso inesperado de Extermínio, obras como The Walking Dead e o retorno do mestre George A. Romero foram novamente possíveis, trazendo uma nova leva de ótimas produções ao público e popularizando os zumbis de uma vez por todas dentre o grande público. Não deixe de conferir mais essa grande produção que se esconde nos catálogos da Netflix e amplie sua lista do final de semana! Até o próximo Robotflix!

Pedro Ornellas Ribeiro

Apenas um cara comum que é considerado estranho por ter lido 3 edições dos Dicionários dos Cineastas e se lembrar do ano de lançamento, nomes e obras de diversos diretores quando era menor. (Ok, isso é um pouco estranho mesmo) Publicitário, mas que sempre quis trabalhar com cinema. Acredita que as pessoas não são ruins, elas só estão perdidas. Talvez por isso ainda acredite em super heróis. Acredita que o mundo não é binário. Por isso, gosta tanto da DC quanto da Marvel, assim como Star Wars e Star Trek. Ama cinema blockbuster, mas não abre mão de poder assistir um filme alternativo sempre que puder. Não gosta de café. Futebol, política e religião se discutem sim, mas sempre numa boa. Ah, filme favorito? Tubarão (1975), do Spielberg.