[RobotReview] Santa Clarita Diet

Série original da Netflix, Santa Clarita Diet aposta na simplicidade ao conduzir uma comédia leve ao tempo que traz um belo tom nonsense, entre outras bizarrices, que funcionam muito bem ao inserir algum ineditismo no mercado atual. Na trama Drew BarrymoreTimothy Olyphant vivem um casal de corretores que tem suas vidas completamente transformadas quando Sheila (Barrymore) se torna, sem motivo aparente, uma espécie de zumbi, mas sem aquela aparência tradicional da qual todos já estamos acostumados. Logo de cara, percebemos a ironia com qual tratam a condição da personagem, afinal elá passa a se sentir mais viva quando morre. Essa metáfora é brilhantemente contextualizada pela ambiência em que o casal vive, Santa Clarita é uma das comunidades mais classudas da América e há todo um cuidado com as aparências por parte de seus moradores que terminam por sofrer fortes influências da nova Sheila, que basicamente é movida pelos impulsos do id, estado causado por sua condição de morta-viva. Já no cast secundário temos Abby (Liv Hewson), filha adolescente de Sheila, além de Eric (Skyler Gisondo), vizinho nerd do casal, que acaba se tornando um consultor para a nova situação que ambos enfrentam. Os jovens acabam ganhando sequências próprias, essas mais leves, embora ainda divertidas pelo desempenho brilhante do garoto.

Nessa altura do campeonato, já é possível imaginar a brilhante Drew Barrymore na pele de uma morta-viva e também a poderosa química com Timothy, absolutamente o ponto alto da série. Ver um casal lidando com uma nova realidade e diariamente tendo que enfrentar novos desafios beira o caos, afinal um zumbi tem que se alimentar e faz isso comendo carne humana, a saída que ambos encontram é assassinar pessoas “malvadas”, versões jovem de Hitler segundo eles. Essas situações são cômicas e sempre flertam com o absurdo divertido, a comédia é ainda composta de inúmeras referências acerca do universo nerd e também da cultura pop, além de várias brincadeiras com arquétipos sempre pontuais ao serem evocadas. Misture tudo isso com doses generosas de gore, violência e momentos nojentos e temos uma fórmula funcional. Os três episódios iniciais são responsáveis por apresentar a premissa em totalidade, portanto possuem uma dinâmica introdutória, garanto que ao serem vencidos, o espectador deve terminar a série rapidamente, devido ao ótimo ritmo com que tudo flui, sempre convidativo à maratona.

Mais uma vez a Netflix prova que é possível inovar sem ir muito longe. Dando uma nova roupagem para típica comédia americana, a série consegue se destacar por sua proposta e pela pitada de ineditismo, além do elenco acertado e das situações que trazem o nonsense positivo. Tudo parece funcionar muito bem em Santa Clarita Diet, pois não há hype aqui, tampouco orçamentos mirabolantes e propagandas falsas, apenas a simplicidade de um produto descompromissado que pode e deve garantir diversas horas de pura diversão.

Confira o Trailer

 

 

Renan Gonçalves

Geek assumido. Historiador, assíduo leitor, consumidor de cultura pop (o pop não poupa ninguém). Apaixonado por dinossauros e filmes desde que vi Jurassic Park no cinema! O filme que me desvirginou em 93. Fã de carteirinha de James Bond, desde que vi ele saindo com várias mulheres em todos os filmes, mas ele não me desvirginou (Eu acho). Apelido NAN ou Gaúcho, pois uso nó maragato e até de ginete algumas vezes!