[Robotflix] Hush – A Morte Ouve

Os últimos anos tem reservado boas novidades dentro dos gêneros do suspense e terror. Principalmente em filmes de menor orçamento, como os longas financiados pela Blumhouse Productions, os fãs tem encontrado filmes que carregam suas narrativas de forma inteligente, sem se apoiar em clichês típicos do gênero e que constróem sua atmosfera de maneira envolvente. Nomes como Fede Alvarez, Sam Raimi e até mesmo M. Night Shyamalan procuraram entrar nessa vertente para conseguirem produzir obras menores, mas com projetos de amplo alcance. Contudo, um filme ainda menor passou desapercebido e pousou no catálogo da Netflix fazendo fãs a cada novo final de semana. Esse é Hush – A Morte Ouve.

Escrito e dirigido por Mike Flanagan, Hush conta a história de Maddie (Kate Siegel), uma escritora que se tornou surda e muda após um surto de meningite aos seus 13 anos de idade. Ela vive sozinha em uma casa isolada no meio da mata e recebe apenas uma visita diária de sua amiga Sarah (Samantha Sloyan). Contudo, essa rotina é quebrada quando, durante uma noite, Sarah é atacada e morta por um homem (John Gallagher Jr.) mascarado sem que Maddie saiba por não conseguir ouvir o acontecimento. Ao se dar conta da deficiência de Maddie, ele dá início a um jogo de gato e rato pela sobrevivência.

Utilizando de um preceito excelente para construir sua trama, o diretor e roteirista Mike Flanagan sabe conduzir seu público de forma que nos vemos presos dentro daquela história e como tudo irá se resolver. Sem oferecer caminhos fáceis, Flanagan desenvolve tudo de maneira orgânica e extremamente bem calculada, partindo muitas vezes para o terror puro e deixando de lado sua vertente original. Sabendo de suas limitações financeiras (o filme custou apenas U$ 1 milhão de dólares), Hush não se apega em efeitos e características parecidas para oferecer cenas empolgantes de suspense e entrega um filme ciente de suas capacidades, mas que foi muito além disso.

Confira Hush – A Morte Ouve no catálogo da Netflix e espalhe a palavra de um dos melhores suspenses dos últimos anos!

Pedro Ornellas Ribeiro

Apenas um cara comum que é considerado estranho por ter lido 3 edições dos Dicionários dos Cineastas e se lembrar do ano de lançamento, nomes e obras de diversos diretores quando era menor. (Ok, isso é um pouco estranho mesmo) Publicitário, mas que sempre quis trabalhar com cinema. Acredita que as pessoas não são ruins, elas só estão perdidas. Talvez por isso ainda acredite em super heróis. Acredita que o mundo não é binário. Por isso, gosta tanto da DC quanto da Marvel, assim como Star Wars e Star Trek. Ama cinema blockbuster, mas não abre mão de poder assistir um filme alternativo sempre que puder. Não gosta de café. Futebol, política e religião se discutem sim, mas sempre numa boa. Ah, filme favorito? Tubarão (1975), do Spielberg.