Dave Bautista confessa ter ficado decepcionado ao ler o roteiro de Guardiões da Galáxia Vol. 2 pela primeira vez

Em um recente entrevista ao CBM, Dave Bautista confessou que não ficou empolgado com o roteiro de Guardiões da Galáxia Vol. 2. O intérprete de Drax afirmou que não entendeu qual seria o “lugar” de seu personagem na sequência, achando que ele estava fugindo de seus desenvolvimento natural.

“Eu estava esperando uma coisa e recebi outra. Logo, eu fiquei um pouco decepcionado no início. Além disso, o que eu faço normalmente quando recebo um roteiro é ler apenas as minhas falas e eu não havia entendido as piadas. Pensei que o Drax não teria importância no filme e eu não me considero engraçado. Então, eu li e lembro de não achar graça de nada”, contou.

Porém, o ator acabou sendo convencido da proposta do novo filme quando realizou sua primeira leitura do roteiro junto com seus companheiros de equipe: “Foi quando eu finalmente entendi. Agora, eu conseguia ouvir os outros atores fazendo seus personagens e era tão engraçado e profundo. Fiquei até mesmo triste em alguns momentos. Além disso, quando eu falava minhas falas as pessoas se acabavam de rir e tudo começou a fazer sentido”.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 está em exibição nos cinemas. No elenco, o longa conta com o retorno de Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista, Bradley Cooper Vin Diesel em seu elenco. Entre as novidades, também estão as presenças de Kurt RussellSylvester Stallone.

Pedro Ornellas Ribeiro

Apenas um cara comum que é considerado estranho por ter lido 3 edições dos Dicionários dos Cineastas e se lembrar do ano de lançamento, nomes e obras de diversos diretores quando era menor. (Ok, isso é um pouco estranho mesmo) Publicitário, mas que sempre quis trabalhar com cinema. Acredita que as pessoas não são ruins, elas só estão perdidas. Talvez por isso ainda acredite em super heróis. Acredita que o mundo não é binário. Por isso, gosta tanto da DC quanto da Marvel, assim como Star Wars e Star Trek. Ama cinema blockbuster, mas não abre mão de poder assistir um filme alternativo sempre que puder. Não gosta de café. Futebol, política e religião se discutem sim, mas sempre numa boa. Ah, filme favorito? Tubarão (1975), do Spielberg.